Patologia | Outras
Obesidade Abdominal e a Síndrome Metabólica
Por Francine Prass Hatem. Visualizada 9365 vezes.

"A obesidade abdominal, deposição de gordura na região da cintura, e a resistência à insulina são conhecidos fatores de risco causadores de doença metabólica (a chamada Síndrome Metabólica) com conseqüências no sistema cardiovascular."

O que é a obesidade abdominal?
Diversos estudos demonstraram que um acúmulo predominante de células gordurosas na região abdominal leva a um aumento de risco de doença cardiovascular e morte prematura; as alterações metabólicas associadas com obesidade abdominal incluem as dislipidemias, resistência à insulina, diabetes de tipo 2 (diabetes do adulto), síndrome metabólica, inflamações e trombose.

Nos últimos anos, tornou-se cada vez mais claro que a distribuição de gordura é importante quando considerar os riscos de obesidade. Foi sugerido na década de 40 que o risco cardiovascular e metabólico está mais intimamente relacionado com a obesidade "andróide" (obesidade abdominal ou corpo em "forma de maçã") do que com a obesidade "ginóide" (obesidade corporal mais baixa ou corpo "em forma de pêra").

Simultaneamente, surgiram novos dados com relação ao vínculo entre o risco cardiovascular e a obesidade abdominal, especialmente o significado de gordura intra-abdominal (aquela que fica armazenada dentro da cavidade abdominal, ao redor dos principais órgãos) como um importante fator de risco para doenças cardiovasculares. A obesidade abdominal pode simplesmente ser medida pela circunferência da cintura, mas podem ser ainda usado métodos de imagem como a tomografia computadorizada (TC) ou a Ressonância Magnética por Imagem (RM).

O que é a Síndrome Metabólica?
Em relação à chamada Síndrome Metabólica, nos Estados Unidos, os pesquisadores dos Centros para Controle e Prevenção de Doença (CDC) relataram que 47 milhões de americanos (um em quatro adultos) apresentaram síndrome metabólica.

Esta Síndrome é constituída de pelo menos 3 dentre os cinco itens abaixo:

• Circunferência da cintura > 94cm nos homens e >80cm nas mulheres
• Triglicerídios > 150 mg/dl
• Níveis de HDL-colesterol (o chamado "bom colesterol") <40 mg/dl nos homens ou <50 mg/dl nas mulheres
• Pressão arterial >130/80 mm Hg
• Glicose em Jejum elevada > 100 mg/dL (5.6 mmol/L), ou diabetes tipo 2 previamente diagnosticado

Os pacientes com síndrome metabólica têm pelo menos um risco duas vezes maior de doença cardiovascular em comparação com aqueles pacientes sem a mesma. O risco de diabetes está também aumentado em aproximadamente cinco vezes pela síndrome metabólica, tanto em homens como nas mulheres.

Estratégias de tratamento:
Em relação às estratégias de tratamento, a perda de peso em pacientes com obesidade abdominal está associada com uma redução do tecido gorduroso localizado dentro do abdômen.

Mesmo uma perda de peso de 5 a 10% está associada com a melhora dos fatores de risco cardiometabólicos tais como as taxas de triglicerídios, níveis de HDL-colesterol e resistência à insulina. Uma redução na circunferência da cintura de 9 cm equivale a uma redução de 30% na adiposidade intra-abdominal prejudicial.

Outras informações no endereço:
http://boasaude.uol.com.br/lib/showdoc.cfm?LibCatID=-1&Search=sin...

» Colelitíase e os alimentos que devem ser evitados
» O que é Dislipidemia (Colesterol e Triglicéridios)?
» Cálcio e Fósforo no Transplante Renal
» Como controlar o nível da homocisteína no organismo?
» Sal e Potássio para pacientes com Transplantes Renais


Comentários
Atenção: Este espaço deve ser usado apenas para comentários, para perguntas utilize o formulário do link Fale Conosco.

Nome
E-mail (não será divulgado)

Comentário

* Todos os campos são obrigatórios

Nenhum comentário foi enviado ainda, seja o primeiro...


Eventos | Fale Conosco | Links | Login | Newsletter | Notícias | Política de Privacidade | Top 10
Todos os direitos reservados. A cópia de parte dos textos é permitida, desde que cite a origem.
Desenvolvido por FP2 Tecnologia