Patologia | Outras
Dietoterapia para Disfagia
Por Simone Biacchi Prass. Visualizada 48185 vezes.

O tratamento dietoterápico para a disfagia tem alguns objetivos:

- Prevenir que o paciente aspire, sufoque-se ou engasgue-se com o alimento ou líquido;
- Facilitar a deglutição, deixando-a segura e independente, diminuindo, assim o risco de aspiração (entrada de líquido nos pulmões);
- Fornecer nutrientes necessários, manter e recuperar o estado nutricional do paciente, evitando e corrigindo a desnutrição.


Dieta oral:

Ao serem oferecidos ao paciente, os alimentos devem ser analisados quanto à sua textura, consistência, viscosidade, adesividade, firmeza e densidade. É importante que a alimentação oral se inicie utilizando líquidos espessados (com o auxílio de substâncias espessantes) para evitar os refluxos (o alimento volta do estômago através do esôfago provocando vômitos). Os líquidos, devido à sua baixa viscosidade, não devem ser administrados durante a reintrodução da alimentação oral, pois favorecem o risco de aspiração.

Faz-se necessário o ajuste da textura dos alimentos pastosos e líquidos de acordo com as condições do paciente. A consistência mais adequada dependerá da avaliação clínica do paciente e uma análise detalhada do grau de disfagia. Isso dará subsídios para o nutricionista e o fonoaudiólogo indicarem a melhor consistência da alimentação oral.


Alimentos que devem ser evitados:

- Água pura, refrescos muito líquidos, leite puro, café e chás, devido ao risco de aspiração;
- Alimentos que esfarelam como bolo, torrada e biscoito, também devido ao risco de aspiração;
- Alimentos como biscoitos secos, arroz seco, flocos de cereais secos, pães crocantes e miolo de pão;
- Queijos secos ou derretidos;
- Ovos muito cozidos;
- Carnes sem molhos e em grandes pedaços, e peixes com espinhas;
- Frutas cruas (exceto banana);
- Frutas secas como banana passa, uva passa e damasco;
- Frutas muito fibrosas como abacaxi e manga;
- Hortaliças cruas (folhosos, cenoura ralada), em pedaços grandes (beterraba), com muita fibra (couve, espiga de milho, ervilha);
- Sopas muito líquidas ou com pedaços de hortaliças;
- Massas e tortas secas, sobremesas com frutas secas, caramelos duros e chocolates.



Bibliografia:

Manual de Dietoterapia e Avaliação Nutricional: serviço de nutrição e dietética do Instituto do Coração – HCFMUSP. Autores: Mitsue Isosaki e Elisabeth Cardoso.

Manual de Nutrição Clínica para atendimento ambulatorial do adulto. Autores: Leila Sicupira C. de Souza Leão e Maria do Carmo Rebello Gomes




» Recomendações - Homocisteína
» Causa - Esôfago de Barrett
» Sintomas da pancreatite aguda
» Prognóstico e complicações - Esôfago de Barrett
» Outros fatores que às vezes podem causar pancreatite


Comentários
Atenção: Este espaço deve ser usado apenas para comentários, para perguntas utilize o formulário do link Fale Conosco.

Nome
E-mail (não será divulgado)

Comentário

* Todos os campos são obrigatórios
Por MARYNEA (22/05/2007 15:21)

GOSTARIA DE SABER QUAL DIETOTERAPIA SE APLICARIA NO INDIVIDUO COM PERICARDITE?
BEM COMO P/ O INDIVIDUO COM REUMATISMO.



Eventos | Fale Conosco | Links | Login | Newsletter | Notícias | Política de Privacidade | Top 10
Todos os direitos reservados. A cópia de parte dos textos é permitida, desde que cite a origem.
Desenvolvido por FP2 Tecnologia